Advertisement

Main Ad

RESENHA: Teto para dois - Beth O'Leary

 


Eles dividem um apartamento com uma cama só. Ele dorme de dia, ela, à noite. Os dois nunca se encontraram, mas estão prestes a descobrir que, para se sentir em casa, às vezes é preciso jogar as regras pela janela.

Três meses após o término do seu relacionamento, Tiffy finalmente sai do apartamento do ex-namorado. Agora ela precisa para ontem de um lugar barato para morar. Contrariando os amigos, ela topa um acordo bastante inusitado.

Leon está enrolado com questões financeiras e tem uma ideia pouco convencional para arranjar dinheiro rápido: sublocar seu apartamento, onde fica apenas no período da manhã e da tarde nos dias úteis, já que passa os finais de semana com a namorada e trabalha como enfermeiro no turno da noite. Só que tem um detalhe importante: o lugar tem apenas uma cama.

Sem nunca terem se encontrado pessoalmente, Leon e Tiffy fecham um contrato de seis meses e passam a resolver as trivialidades do dia a dia por Post-its espalhados pela casa. Mas será que essa solução aparentemente perfeita resiste a um ex-namorado obsessivo, uma namorada ciumenta, um irmão encrencado, dois empregos exigentes e alguns amigos superprotetores?

 ***AVISO DE GATILHO: O livro e a resenha abordam temas como relacionamento abusivo. Prossiga com cautela. 

Antes de começar a resenha, quero compartilhar que “Teto para dois” faz parte do seleto grupo de livros que eu li em 2020. Se você não me acompanha no Instagram, no ano passado tive a pior ressaca literária da minha vida e não consegui ler nada, com exceção de “Teto para dois” e “Anne de Green Gables”.

Foi uma leitura muito rápida e, por um momento, achei que seria ela que me tiraria da ressaca. Infelizmente, esse período sem ler só terminou no fim do ano. Mas vamos para a resenha, que é o que importa.

Você toparia dividir a cama com um desconhecido?

Três meses após o fim do seu relacionamento, Tiffy, precisa de um novo apartamento. Seu namorado terminou com ela abruptamente (de novo) e, inclusive, já está em um novo relacionamento e a levou para o apartamento enquanto ela ainda mora nele.

Decidida a sair do lugar o quanto antes, ela começa sua busca por um novo lar. Com um salário não muito bom, o lugar precisa ser o clássico “bom e barato”, o que não é muito fácil de encontrar. Depois de algum tempo procurando, Tiffy se vê com duas opções: um lugar péssimo ou dividir o apartamento (e a cama!) com um completo desconhecido, que ela ainda nem sabe se é homem ou mulher.

É preciso dizer uma coisa sobre o desespero: ele deixa a cabeça da gente muito mais aberta.

E é aí que começa a história de Leon. Ele precisa de dinheiro, e está alugando um lado da sua cama para alguém dormir durante a noite, já que ele trabalha nesse horário e assim conseguir o dinheiro para ajudar seu irmão que está preso.

Tiffy aceita dividir o lugar com Leon e é a partir daí que uma relação inesperada e muito divertida surge.

Através de post its, que começaram com pequenas notas e se tornam conversas cheias de cumplicidade e trocas de experiências, os dois acabam se conhecendo mais, mesmo que nunca tenham se visto. Na verdade, o primeiro encontro do dois só acontece meses depois que Tiffy se mudou e esse é um dos momentos que me fez rir demais nesse livro.

E por falar em rir, isso acontece muito em “Teto para dois”! As interações entre os dois sobre Roberta Raposa são as minhas favoritas. Elas são tão absurdas que se tornam maravilhosamente engraçadas.

Muitas vezes acho que deve ser muito cansativo ser Tiffy. Mesmo em forma de nota, ela parece gastar muita energia.

Enquanto os dois se aproximam, outras coisas vão acontecendo ao longo da história. Leon e sua namorada, Kay, terminam porque ela não consegue lidar com os horários dele e por ele estar sempre tentando ajudar seu irmão a provar sua inocência e sair da cadeia. E Justin, o ex-namorado de Tiffy reaparece tentando uma reconciliação e é aí que temos mais um dos meus momentos queridinhos.

Tiffy leva um tempo para perceber isso, mas ela estava em um relacionamento abusivo com Justin e é sobre isso o gatilho lá no início da resenha.

- Você uma vez me disse que meu... Que Justin e eu... Que ele me fazia sofrer.

Mo fica em silêncio, esperando.

- Você me disse que um dia eu ia entender. E me pediu para ligar quando isso acontecesse.

Beth O’Leary traz esse assunto de forma bem sútil no início, mas conforme a história vai se desenrolando, ele começa a ser abordado de forma mais aberta e então começamos a ver as consequências do relacionamento entre Tiffy e Justin. Podemos ver como algumas coisas acabam se tornando gatilhos para ela e como isso a afeta em seu dia a dia.

Em vários momentos durante a leitura, fiquei com aquela sensação de querer proteger a Tiffy e tirá-la daquela sensação. Ver como o Justin mexeu com seu psicológico, como a fez desacreditar em si mesma e a machucou emocionalmente, me deixou bastante angustiada.

No geral, esse livro mesclou muito bem momentos fofos e engraçados com situações e assuntos mais sérios. E para completar, traz um dos meus clichês favoritos, que é quando só tem uma cama, mas em uma abordagem diferente.

“Teto para dois” foi uma leitura cinco estrelas e com espaço garantido na minha listinha de livros favoritos!

Me conta nos comentários se você já leu esse livro e o que você achou dele.

Postar um comentário

1 Comentários

  1. ahhh, o tanto que eu quero ler esse livro, não ta escrito hahaha!
    Eu amo clichê rs. Toda resenha que leio sobre, fico querendo colocar Tiffy em um potinho e proteger do mundo.
    To super curiosa pra saber mais e mais!
    Amei a resenha!
    Beijinhos
    Taty
    https://www.conclusoesliterarias.com.br/

    ResponderExcluir