RESENHA: É assim que acaba - Colleen Hoover


Já perdi as contas de quantas vezes dissemos que estamos de volta, mas sempre acontece algo que nos afasta daqui de novo. Mas dessa vez prometemos que, aos poucos, voltaremos com o blog. E agora, a promessa é real. Tivemos algumas mudanças, mas com o tempo, tudo vai se ajeitar. 

Vez ou outra, aparece um livro que faz você ter vontade de falar sobre ele para todo mundo e "É assim que acaba" é ele para mim, no momento. Inclusive, é essa história que me fez voltar a querer escrever resenhas.

Uma das últimas resenhas que escrevi aqui foi de um livro da Colleen Hoover e já disse o quanto amo essa autora. Entre o texto sobre "Novembro, 9" e agora, minha leitura de obras da CoHo aumentou um pouco e logo trarei minha opinião sobre todos eles.

Acredito que exista um homem perfeito para mim. E vivo me decepcionando, porque ninguém corresponde a meus padrões.

Enfim, chega de enrolar e vamos falar sobre "É assim que acaba"! E vou começar dizendo que quero que você comece esse livro da mesma forma que eu: sem saber nada sobre ele, por isso, não teremos sinopse.

Quando comecei essa história, eu não tinha a menor ideia do que me esperava. Obviamente, CoHo é a rainha dos plot twists, mas nem isso me preparou para o que eu encontrei.Vou tentar não falar muito sobre os personagens em si, mas sim da sensação e do efeito que essa leitura teve sobre mim.

Foi assim que comecei "É Assim Que Acaba", sem saber absolutamente nada sobre a história. Eu só tinha uma vaga ideia do que me esperava por conhecer o estilo de escrita da CoHo. Inclusive, quando estava lendo no ônibus, uma moça me disse que era um dos melhores livros que já tinha lido. Então imaginem como minhas expectativas estavam.

Inicialmente, conhecemos um pouco sobre a protagonista, Lily Bloom, e sua família e também já somos apresentados ao Riley, um homem charmoso, engraçado, incrivelmente bonito e, aparentemente, perfeito. Também ficamos sabendo um pouco do passado de Lily e seu primeiro amor, Atlas, através do diário que ela escrevia e que era endereçado à Ellen DeGeneres. Basicamente, essa é a primeira parte do livro.

– Você me alertou. Você disse que uma vez apenas com você não seria suficiente. Você disse que era como uma droga. Mas você falhou em me dizer que você era do tipo mais viciante.

Já em sua segunda parte o livro mergulha na grande “lição” que a autora quer nos ensinar, quando uma parte do passado de Lily volta e a faz perceber que sua vida não é tão perfeita quanto ela pensava.

Durante todo o livro eu me senti na pele da protagonista, sofri e me apaixonei com ela a cada uma das páginas. A partir da segunda parte, senti que meu coração começou a se despedaçar aos poucos, assim como o da Lily, e não chorar foi impossível.

Ninguém é exclusivamente ruim ou exclusivamente bom. Algumas pessoas só precisam se esforçar mais para suprimir o lado ruim.

É incrível a quantidade de elementos e referências que a Colleen usou. Ela conseguiu trazer Dory (sim, a mesma de Procurando Nemo!) e mostrou o quanto a frase “continue a nadar” é importante. Como a própria Dory diz: a única solução para quando a vida te decepciona é continuar a nadar. O que quer que aconteça, precisamos continuar nadando.

Durante a leitura, percebi que a história da Lily é a mesma de muitas outras mulheres por aí e a sensação de impotência me dominou por muitas dessas páginas. Fez também, com que eu parasse para pensar e me colocar no lugar da protagonista, tentar pensar como ela e entender seus motivos para agir como agiu.

Eu sei que esse texto pode parecer meio vago, mas a ideia é dar o mínimo de spoilers possível e proporcionar a mesma leitura que eu tive, achando que esse era apenas mais um romance da Colleen, com algum super plot twist no meio e um protagonista masculino digno de entrar para minha lista de crushes literários.

Meus olhos dizem para os seus que não suporto mais seu toque. Seus olhos dizem para os meus que ele já sabe disso.

"É assim que acaba" é diferente de tudo o que já li, é uma leitura incrível e que todo mundo precisa conhecer.

Entretanto, diferente do esperado, esse não é um romance com um desfecho triste. Colleen terminou o livro mostrando que só porque você passou pelas piores coisas possíveis, isso não significa que as elas não podem melhorar, desde que você continue a nadar.

– É assim que acaba. Comigo e com você. Isso termina com a gente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário